Tocantins

De Wikipedia
Ir para: navegação, pesquisa

Predefinição:Coor dms Predefinição:Ver desambig Predefinição:Não confundir Predefinição:Info/Estado do Brasil

Tocantins (Predefinição:IPA-pt) é uma das 27 unidades federativas do Brasil, sendo o seu mais novo estado.<ref>Predefinição:Citar web</ref> Está localizado a sudeste da Região Norte e tem como limites Goiás a sul, Mato Grosso a oeste e sudoeste, Pará a oeste e noroeste, Maranhão a norte, nordeste e leste, Piauí a leste e Bahia a leste e sudeste. Sua capital é a cidade planejada de Palmas que, dentre as capitais estaduais brasileiras, é a menos populosa. Na bandeira nacional e no selo nacional do Brasil, o Tocantins é representado pela estrela Adhara (? Canis Majoris).

Ocupa uma área de Predefinição:Fmtn, pouco maior que o Equador e a Nova Zelândia, sendo a décima maior unidade federativa em área territorial no Brasil. Com mais de 1,550 milhão de habitantes, é o quarto estado mais populoso da Região Norte e o vigésimo quarto mais populoso do Brasil. Apenas dois de seus municípios possuem população acima de 100 mil habitantes: Palmas, a capital e sua maior cidade com quase 290 mil habitantes em 2017, e Araguaína, com cerca de 175 mil habitantes. Tocantins possui um dos mais baixos índices de densidade demográfica no país, superior apenas ao dos estados de Roraima, Amazonas, Mato Grosso e Acre. Conforme dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, em 2017 a densidade demográfica equivale a 5,58 habitantes por quilômetro quadrado.<ref name="Densidade demográfica do Tocantins">Predefinição:Citar web</ref>

Além de Palmas e Araguaína, outras cidades importantes no estado são Gurupi, Porto Nacional e Paraíso do Tocantins. Juntos, estes cinco municípios abrigavam, em 2015, cerca de 42,22 por cento da população total do estado.<ref name="Concentração da população no Tocantins">[1]Estimativas das populações residentes em 1º de julho de 2009, segundo os municípios - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística</ref> O relevo apresenta chapadas ao centro, ao sul e ao leste, a Serra Geral a sudeste, a Serra das Traíras (ou das Palmas) ao sul, e a planície do Araguaia, com a Ilha do Bananal, nas regiões norte, oeste e sudoeste. São importantes o Rio Tocantins (incluindo o Rio Maranhão), o Rio Araguaia, o Rio Javaés, o Rio do Sono, o Rio das Balsas, o Rio Manuel Alves e o rio Paranã. O clima é tropical. Veja lista de rios do Tocantins.

A economia tocantinense se baseia no comércio, na agricultura (arroz, milho, feijão, soja, melancia), na pecuária e em criações. No setor terciário suas principais atividades estão concentradas em Palmas e também nos municípios que estão localizados às margens da Rodovia Belém-Brasília, principal via de ligação da capital federal com a parte norte do Brasil. Possui o terceiro maior Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) e o quarto maior PIB per capita entre todos os estados do Norte do Brasil. A Serra das Traíras, localizada no município de Paranã e na divisa com Goiás, é o ponto mais elevado no estado, com 1.340 metros de altitude.<ref name="Ponto culminante no Tocantins">Predefinição:Citar web</ref>

Etimologia[editar]

O nome "Tocantins" é uma referência ao rio Tocantins, que corta o estado de sul ao norte. Trata-se de um termo oriundo do tupi antigo, onde significa "bicos de tucanos", através da junção dos termos tukana ("tucanos") e tim ("bicos"). O nome do rio, por sua vez, é uma referência à tribo indígena que habitava a região na época da chegada dos primeiros colonizadores portugueses.<ref name="Etimologia do nome Tocantins">NAVARRO, E. A. Dicionário de Tupi Antigo: a Língua Indígena Clássica do Brasil. São Paulo. Global. 2013. p. 603</ref>

História[editar]

Predefinição:Artigo principal

Estado de Goiás[editar]

O estado de Goiás tinha uma região geográfica extensa e uma grande diferença no modo de vida dos habitantes das regiões ao norte e ao sul do estado. Sendo a capital Goiânia localizada mais a sul, e com a construção de Brasília, o sul de Goiás rapidamente se desenvolveu, se tornando uma nova região próspera e rica, com grande ênfase na indústria e no agronegócio, um estado promissor a novos investimentos, com grandes usinas hidrelétricas em construção e em projeto, como em Itumbiara, Cachoeira Dourada e Serra da Mesa. Assim, a região sul de Goiás se desenvolvia a todo vapor.

Devido à distância e terras com pouca cultura pela falta de tecnologia para cultivos agrícolas, o norte goiano sempre foi atrasado em relação ao resto do Estado. Assim, a população e autoridades dessa região, preocupadas com o desenvolvimento, decidiram não mais brigar para que o governo de Goiás olhasse para o norte, optaram por se libertar e constituíram um novo Estado brasileiro. Nasceu a ideia do que, futuramente, se tornou o Estado do Tocantins.

Primeiros movimentos emancipacionistas[editar]

Arquivo:Mapa da Província do Araguaia.tif
Mapa da Província do Araguaia que seria criada durante o Império do Brasil onde hoje seria o Tocantins, 1873. Arquivo Nacional.

Em 1821, o Desembargador Dr. Joaquim Teotônio Segurado chegou a proclamar um governo autônomo, mas o movimento foi reprimido e a luta pela emancipação do norte goiano ficou estagnada, até que em 13 de maio de 1956, o Dr. Feliciano Machado Braga, Juiz de Direito de Porto Nacional — juntamente com o Prof. Fabrício César Freire, o Bioquímico Dr. Oswaldo Ayres da Silva, o Jornalista João Matos Quinaud, o Advogado Dr. Francisco Mascarenhas, o Escrivão Pethion Pereira Lima e o Odontólogo Dr. Severo Gomes, com a adesão das entidades: ATI – Associação Tocantinense de Imprensa, CENOG – Casa do Estudante do Norte Goiano e UAO – União Artística e Operária —, lançou o "Movimento Pró-Criação do Estado do Tocantins", como uma expressão do desejo emancipacionista do norte de Goiás. Formaram-se comissões para estudar as formas de implantação do novo estado, sendo criados, então uma bandeira e um hino.

Durante quatro anos, foram realizadas paradas cívicas no dia 13 de maio alusivas à data de lançamento do movimento. Em sinal de sua dedicação à causa, o juiz Feliciano Machado Braga passou a despachar documentos oficiais como: "Porto Nacional, Estado do Tocantins". O juiz Feliciano Machado Braga foi transferido de Porto Nacional e assim, o movimento perdeu sua força e seu líder maior de então. A ocorrência de intensos conflitos agrários na região do Bico do Papagaio, na divisa entre o norte de Tocantins, o Pará e o Maranhão, a partir de 1960, alimentou a causa dos que defendiam a emancipação da região, ao longo das décadas seguintes.

O veto de José Sarney e a Constituição de 1988[editar]

Arquivo:Siqueira Campos em 2011 (cropped).jpg
José Wilson Siqueira Campos, ex-governador e um dos líderes pela emancipação do estado do Tocantins, na Assembleia Constituinte de 1988.

Em 1982, houve rumores no qual se afirmava que o governo federal estaria disposto a criar o "Território Federal do Tocantins" de modo a contrabalançar a influência do Partido do Movimento Democrático Brasileiro na Região Norte do país, tendo em vista a conquista dos governos do Amazonas, Pará e Acre pela legenda oposicionista, restando ao Partido Democrático Social o controle, por nomeação presidencial, do estado de Rondônia e dos territórios federais do Amapá e Roraima. Tal alarido logo foi desmentido. Entretanto, o movimento autonomista já havia se articulado e, em 1985, o então senador Benedito Vicente Ferreira, pertencente ao Partido da Frente Liberal (PFL) de Goiás, protocolou no Senado Federal um projeto de lei que propunha a criação do estado do Tocantins, este sob o número Nº 201. Depois de ter seu projeto vetado por José Sarney, que ocupava a Presidência da República, José Wilson Siqueira Campos, membro do Partido Democrático Social e deputado federal por Goiás, apresentou ao Congresso Nacional um projeto de lei criando o estado do Tocantins. Aprovado pelos parlamentares em março, foi encaminhado ao presidente José Sarney, que novamente o vetou em 3 de abril de 1985. À época, José Sarney afirmou que tal matéria deveria ser submetida à Constituinte, que elaboraria a nova Constituição nacional.<ref name="História do estado do Tocantins">Predefinição:Citar web</ref>

Durante a Assembleia Nacional Constituinte, ocorreu uma nova tentativa de emancipação da região. O artigo 13 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias, estabeleceu condições para a criação do novo estado no bojo de uma reforma que extinguiu os territórios federais existentes e concedeu plena autonomia política ao Distrito Federal. Dessa forma, em 5 de outubro de 1988, o norte do estado de Goiás foi emancipado, passando a se chamar Tocantins, com sua instalação definitiva ocorrendo em 1º de janeiro de 1989. Após sua instalação, o Tocantins foi inserido na Região Norte do Brasil, uma vez que, enquanto pertencente à Goiás, era parte da Região Centro-Oeste brasileira.<ref>Predefinição:Citar web</ref>

Geografia[editar]

Relevo[editar]

O relevo do estado do Tocantins é sóbrio. Pertence ao Planalto Central Brasileiro. Caracteriza-se, sobretudo, pelo solo sob cerrados, predominando, na sua maioria, superfícies tabulares e aplainadas, resultantes dos processos de pediplanação. As principais regiões geográficas do estado são a Chapada da Bahia do Meio-Norte, com altitudes variadas de 300 a 600 metros e representadas pela Serra da Cangalha e Mangabeira no Município de Itacajá; Chapada da Bacia de São Francisco, um divisor das águas das Bacias São Francisco/Tocantins, com altitude média de 900 metros e representada pela Serra Geral de Goiás; Planalto do Tocantins, com altitude médias de 700 metros; e a Peneplanície do Araguaia, constituída por um peneplano de colinas suaves com altitudes de 300 a 400 metros, ao longo dos vales dos rios Araguaia e das Mortes. O estado, num todo, é caracterizado por variadas gamas de rochas ígneas e metamórficas do complexo cristalino e unidades sedimentares de diversas idades.<ref name="Ponto culminante no Tocantins" />

O ponto culminante do estado fica localizado na nascente do Rio Claro, no extremo sul do município de Paranã, numa serra conhecida como Serra das Traíras (ou das Palmas). O local possui uma altitude aproximada de 1.340 metros, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e a Diretoria de Serviço Geográfico do Exército Brasileiro, estando a apenas 2,5 km da divisa com o estado de Goiás.<ref>Secretaria de Indústria e Comércio do Estado de Goiás. Predefinição:Citar web Acesso em 16/04/2010.</ref><ref>Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Predefinição:Citar web Rio de Janeiro: 2007. Tabela 1.3.2.2, pág. 1-29. Acesso em 16/04/2010.</ref> Pode-se chegar até a região através da TO-130, da GO-241 e da GO-464 que é a rodovia asfaltada mais próxima (via Minaçu - Goiás). As localidades mais próximas do local são o povoado do Mocambo (ou Baliza) e o povoado do Campo Alegre, em Paranã, além do povoado São José e da UHE Cana Brava, em Goiás.<ref name="Ponto culminante no Tocantins" />

Arquivo:Presença humana.jpg
Vista da região ecoturística do Jalapão, situada no centro-leste do Tocantins.

Já o ponto mais baixo do estado, está localizado na extremidade oeste da Ilha dos Bois em Esperantina, na tríplice divisa com os estados do Pará e do Maranhão. Este ponto possui noventa metros de altitude, estando situado bem próximo à cidade paraense de São João do Araguaia. A Ilha dos Bois se encontra localizada logo após a confluência entre os rios Tocantins e Araguaia, sendo que toda a bacia hidrográfica do estado (Bacia do Tocantins-Araguaia) segue em direção à ilha.

Serras e Formações Geológicas
Arquivo:Lizarda - 13.jpg
Vista da cidade de Lizarda.

Predefinição:Dividir em colunas

Predefinição:Dividir em colunas fim

Vegetação[editar]

Arquivo:Chuveirinho.jpg
Planta típica do cerrado tocantinense na região do Jalapão. Ao fundo podem ser vistos alguns buritis, que é uma das plantas nativas mais características do estado.

A vegetação do Tocantins é bastante variada; apresenta desde o campo cerrado, cerradão, campos limpos ou rupestres a floresta equatorial de transição, sob forma de "mata de galeria", extremamente variada.

A vegetação é o espelho do clima. Em área, o cerrado ocupa o primeiro lugar no estado do Tocantins. As árvores do cerrado estão adaptadas à escassez de água durante uma estação do ano. Caracterizam-se por uma vegetação campestre, com árvores e arbustos esparsos, útil à criação extensiva do gado, por ser uma vegetação de campos naturais, em espécie vegetal dos diferentes tipos de cerrado.

  • Cerrado – Árvores de pequeno porte, poucas folhagens, raízes longas adequadas à procura de água no sub-solo, folhas pequenas duras e grossas, ciando grande parte na Estação seca. As espécies nativas mais comuns são: pau-terra, pau-santo, barbatimão, pequi, araticum e murici.
  • Campo sujo – Uma divisão do cerrado, que apresenta árvores bastante espaçadas uma das outras e, às vezes, em formação compacta. Ex: lixeira, gramínea etc.
  • Campo limpo – Caracteriza-se por se constituir uma formação tipicamente herbácea, com feição de estepes, quando isoladas; se em tubas deixam parcelas de terrenos descobertas, sob a forma de praiarias; quando é contínua, reveste densamente o terreno. Está ligada à topografia e hidrografia, notando-se uma associação nos divisores de água, nas encostas das elevações onde o lençol freático aflora, e, também, nas várzeas dos rios. Ex: Ilha do Bananal – onde se dá criação extensiva do gado no estado.
  • Floresta equatorial – Aparece de modo contínuo no norte do estado, próximo ao paralelo 5º, e acompanha o curso dos rios, sob forma de "mata de galeria". Essa formação em área de temperatura alta e pluviosidade elevada, propicia o aparecimento de uma forma densa bastante estratificada, composta de espécies variadas.
  • Floresta tropical – Características de regiões cuja temperatura é permanentemente alta com chuvas superiores a um total de 1 500 mm anual. Apresenta muitas espécies vegetais de grande valor econômico como as madeiras-de- lei, destacando-se o mogno e o pau-brasil etc. As bordas litorâneas do vale do Tocantins, no norte do estado, notadamente Tocantinópolis e Babaçulândia, oferecem uma grande riqueza vegetal – o babaçu. O estado ocupa o terceiro lugar, no Brasil, em relação à sua produção.

Resultantes da interação entre altitudes, latitudes, relevo, solo, hidrografia e o clima, o estado pode ser dividido em três regiões que são: Região Norte: de influência Amazônica, caracterizada pelas florestas pluviais; Região do Médio Araguaia: constituída, principalmente, pelo complexo do Bananal – onde se encontram os cerrados associados às matas de Galeria e à Floresta Estacional Semidecidual; Região Centro-Sul e Leste: onde predomina o cerrado com algumas variações de Floresta Estacional Decidual nas fronteiras de Bahia- Goiás.

De maneira geral podemos afirmar que a cobertura vegetal predominante no Tocantins é o cerrado, perfazendo um percentual superior a sessenta por cento. O restante é composto por florestas esparsas que podem ser identificadas, sobretudo, nas Bacias hídricas Tocantins-Araguaia – Paranã e seus afluentes.

Os recursos naturais de origem vegetal que merecem maior destaque no Tocantins são: o coco babaçu, o pequi e o buriti. O babaçu é rico em celulose e óleo, que, ao lado do pequi é aproveitado nos pratos típicos da região. O coco tem grande valor industrial, pois serve para a fabricação de gorduras, sabões e sabonetes. A casca do coco serve como combustível e a palha do babaçu presta-se para o fabrico de redes, cordas, cobertura de casas etc. Outra riqueza vegetal largamente explorada é a produção da madeira-de-lei.

Clima[editar]

O clima predominante no estado é o tropical seco, que é caracterizado por uma estação chuvosa (de outubro a abril) e outra seca (de maio a setembro). É condicionado fundamentalmente pela sua ampla extensão latitudinal e pelo relevo de altitude gradual e crescente de norte a sul, que variam desde as grande planícies fluviais até as plataformas e cabeceiras elevadas entre duzentos e seiscentos metros, especialmente pelo relevo mais acidentado, acima de seiscentos metros de altitude, ao sul. Há uma certa homogeneidade climática no Tocantins. Porém, por sua grande extensão de contorno vertical definem-se duas áreas climáticas distintas.

Ao Norte do paralelo 6ºS, onde o relevo é suavemente ondulado, coberto pela Floresta Fluvial Amazônica, o clima é úmido, segundo Kopper, sem inverno seco. Com temperaturas médias anuais variando entre 24 °C e 28 °C, as máximas ocorrem em agosto/setembro com 38 °C e a média mínima mensal em julho, com 22 °C, sendo que a temperatura média anual é de 26 °C. Em geral as precipitações pluviométricas são variáveis entre 1 500 e 2 100 mm, com chuvas de novembro a março.

Ao Sul do paralelo 6º S, onde o clima predominante é subúmido ou (estacionalmente) seco, os meses chuvosos e os secos se equilibram e as temperaturas médias anuais diminuem lentamente, à medida que se eleva a altitude. As máximas coincidem com o rigor das secas em setembro/outubro com ar seco e enfumaçado das queimadas de pastos e cerrados. Assim, a temperatura compensada no extremo sul, varia de 22 °C e 23 °C, no centro varia de 26 °C a 27 °C e no norte, de 22 °C a 23 °C. As chuvas ocorrem de outubro a abril.

Hidrografia[editar]

Predefinição:Anexo

A hidrografia do estado do Tocantins é delimitada a oeste pelo Rio Araguaia e ao centro pelo Rio Tocantins.<ref name="Rio Araguaia">Predefinição:Citar web</ref> Ambos correm de sul para norte e se unem no município de Esperantina, banhando boa parte do território tocantinense. O Projeto de Desenvolvimento Integrado da Bacia do Araguaia-Tocantins (PRODIAT) dividiu a hidrografia do estado em duas sub-bacias: Sub-bacia do Rio Araguaia: formada pelo Rio Araguaia e seus afluentes, tendo um terço de seu volume no estado; Sub-bacia do Rio Tocantins: formada pelo Rio Tocantins e seus afluentes, ocupando dois terços de seu volume aproximadamente no Estado.<ref name="Bacia do Araguaia - Tocantins">Predefinição:Citar web</ref><ref name="Rios do Tocantins">Predefinição:Citar web</ref>

O Rio Araguaia nasce nas vertentes da Serra do Caiapó e corre de sul para norte, formando a maior ilha fluvial do mundo, a Ilha do Bananal e lança suas águas no Tocantins, depois de percorrer 1 135 km engrossado por seus afluentes. O rio Tocantins nasce em Goiás, com o nome de Rio Padre Souza, no limite entre os municípios de Ouro Verde de Goiás (GO), Anápolis (GO) e Petrolina de Goiás (GO). O Rio Tocantins só passa a receber o seu nome após a confluência entre o Rio das Almas e o Rio Maranhão, localizada entre os municípios tocantinenses de Paranã e São Salvador do Tocantins. Sendo um rio de planalto, lança suas águas barrentas em plena baía de Guajará, no Pará.<ref name="Bacia do Araguaia - Tocantins"/>

O regime hídrico da Bacia Araguaia-Tocantins é bem definido, apresentando um período de estiagem, que culmina em setembro-outubro e um período de cheias, de fevereiro a abril. Há anos em que as enchentes ocorrem mais cedo, em dezembro, dependendo da antecipação das chuvas nas cabeceiras. (MINTER/1988).<ref name="Bacia do Araguaia - Tocantins" />

Unidades de Conservação[editar]

O estado do Tocantins possui várias Unidades de Conservação de âmbito Federal e Estadual.<ref name="Unidades de conservação no Tocantins">Predefinição:Citar web</ref>

As unidades de conservação federais são: Parque Nacional das Nascentes do Rio Parnaíba<ref name="Parque Nacional das Nascentes do Rio Parnaíba">Predefinição:Citar web</ref>; Parque Nacional do Araguaia<ref name="Parque Nacional do Araguaia">Predefinição:Citar web</ref>; Estação Ecológica da Serra Geral do Tocantins<ref name="Estação Ecológica da Serra Geral do Tocantins">Predefinição:Citar web</ref>; Área de Proteção Ambiental dos Meandros do Rio Araguaia; Área de Proteção Ambiental Serra da Tabatinga<ref name="Área de Proteção Ambiental Serra da Tabatinga">Predefinição:Citar web</ref> e Reserva Extrativista do Extremo Norte do Tocantins.<ref name="Reserva Extrativista Extremo Norte do Estado do Tocantins">Predefinição:Citar web</ref>

As unidades de conservação estaduais são: Parque Estadual do Cantão; Parque Estadual do Jalapão; Parque Estadual do Lajeado; Monumento Natural das Árvores Fossilizadas do Estado do Tocantins; Área de Proteção Ambiental das Nascentes de Araguaína; Área de Proteção Ambiental do Rio Taquari; Área de Proteção Ambiental Foz do Rio Santa Teresa; Área de Proteção Ambiental Ilha do Bananal/Cantão; Área de Proteção Ambiental Jalapão; Área de Proteção Ambiental Lago de Peixe-Angical; Área de Proteção Ambiental Lago de Palmas; Área de Proteção Ambiental Lago de Santa Isabel; Área de Proteção Ambiental Lago de São Salvador do Tocantins, Paranã e Palmeirópolis; Área de Proteção Ambiental Sapucaia e Área de Proteção Ambiental Serra do Lajeado.

Em 5 de abril de 2005, através da Lei Estadual nº 1.560, o Governo do Estado do Tocantins instituiu o Sistema Estadual de Unidades de Conservação (SEUC), estabelecendo os critérios e normas para a criação e gestão das unidades estaduais. Predefinição:Panorama

Demografia[editar]

Cidades mais populosas[editar]

Predefinição:Municípios mais populosos do Tocantins

Grupos étnicos[editar]

Predefinição:Bar box No Tocantins, assim como no restante do país, foram os índios os seus primeiros habitantes, sendo de assinalar que, após o descobrimento, houve um genocídio da raça indígena, uma vez que eram em número superior a 150 mil os que povoaram especialmente a zona litorânea. Mesmo assim, até hoje ainda existe no Tocantins um pequeno grupo de índios isolados da tribo Avá-Canoeiro, que vivem sem nenhum tipo de contato com a civilização na região da Mata do Mamão, localizada no interior da Ilha do Bananal.

Até hoje estes índios continuam rejeitando qualquer tentativa de contato, sendo que já foram encontrados diversos vestígios que indicam a presença deles na Mata do Mamão. Entre os principais grupos étnicos indígenas do estado, estão:apinayé; krahô; xerente; xambioá; karajá; javaé; avá-Canoeiro (incluindo os Isolados da Mata do Mamão); Krahô-Kanela; Tapirapé; Pankararu.

Quilombos do Tocantins

Predefinição:Dividir em colunas

Predefinição:Dividir em colunas fim

Governo e política[editar]

Arquivo:Palacio do Araguaia.jpg
Palácio do Araguaia, sede do governo do estado

O Tocantins é um estado da federação, sendo governado por três poderes, o executivo, representado pelo governador, o legislativo, representado pela Assembleia Legislativa do Tocantins, e o judiciário, representado pelo Tribunal de Justiça do Estado do Tocantins e outros tribunais e juízes. Também se permite, nas decisões do governo, a participação popular, que dar-se-á sob a forma de referendos e plebiscitos.<ref name="Política do Tocantins 1">Predefinição:Citar web</ref>

O município de Palmas é quem detém o maior número de eleitores, com Predefinição:Formatnum mil destes. Em seguida aparecem Araguaína, com 102,8 mil eleitores, Gurupi (55,2 mil eleitores), Porto Nacional (37,1 mil eleitores) e Paraíso do Tocantins, Colinas do Tocantins e Araguatins, com 31,5 mil, 21,6 mil e 21,1 mil eleitores, respectivamente. O município com menor número de eleitores é São Félix do Tocantins, com 1,3 mil.<ref name="Eleitores do Tocantins">Predefinição:Citar web</ref>

Tratando-se sobre partidos políticos, 34 dos 35 partidos políticos brasileiros possuem representação no estado.<ref name="Partidos políticos no Tocantins" /> Conforme informações divulgadas pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), com base em dados de outubro de 2016, o partido político com maior número de filiados no Tocantins é o Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB), com Predefinição:Formatnum membros, seguido do Partido Progressista (PP), com Predefinição:Formatnum membros e do Democratas (DEM), com Predefinição:Formatnum filiados. Completando a lista dos cinco maiores partidos políticos no estado, por número de membros, estão o Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB), com Predefinição:Formatnum membros; e o Partido da República (PR), com Predefinição:Formatnum membros. Ainda de acordo com o Tribunal Superior Eleitoral, o Partido Novo (NOVO) e o Partido Socialista dos Trabalhadores Unificado (PSTU) são os partidos políticos com menor representatividade na unidade federativa, com 4 e 9 filiados, respectivamente.<ref name="Partidos políticos no Tocantins" /> Não há membros do Partido da Causa Operária (PCO) no Tocantins, na data de divulgação supracitada.<ref name="Partidos políticos no Tocantins">Predefinição:Citar web</ref>

O estado foi governado, de 1.º de janeiro de 2015 a 22 de março de 2018, e de 6 a 19 de abril do mesmo ano, por Marcelo Miranda (PMDB), tendo como vice-governadora Cláudia Lelis (PV). O Tribunal Superior Eleitoral cassou os mandatos de ambos e uma eleição suplementar foi marcada para o dia 3 de junho. O Tocantins passou a ser governado por Mauro Carlesse (PHS) até 31 de dezembro de 2018.<ref>Predefinição:Citar web</ref><ref>Predefinição:Citar web</ref>

Subdivisões[editar]

Predefinição:Artigo principal

O Tocantins é dividido em três regiões intermediárias e onze regiões imediatas.<ref name="IBGE_DTB_2017">Predefinição:Citar web</ref>

Regiões geográficas intermediárias[editar]

Região geográfica intermediária<ref name="IBGE_DTB_2017"/> Código Número de
municípios
Regiões geográficas imediatas Código Número de
municípios
Palmas 1701 42 Palmas 170001 10
Porto Nacional 170002 13
Paraíso do Tocantins 170003 14
Miracema do Tocantins 170004 5
Araguaína 1702 65 Araguaína 170005 21
Guaraí 170006 14
Colinas do Tocantins 170007 9
Tocantinópolis 170008 8
Araguatins 170009 13
Gurupi 1703 32 Gurupi 170010 18
Dianópolis 170011 14

Economia[editar]

Arquivo:Tree Map-Exportacoes de Tocantins (2012).png
Exportações do Tocantins - (2012)<ref name="dataviva.info">Predefinição:Citar web</ref>

O Tocantins é conhecido como uma terra nova, de novas possibilidades e oportunidades, atrativa para migrantes e propícia ao aporte de novos investimentos com uma série de incentivos fiscais: a economia tocantinense está assentada em um agressivo modelo expansionista de agroexportações e é marcada por seguidos records de hiper-superávits primários: cerca de 89% de sua pauta de exportação é soja em grão, cerca de 10% é carne bovina e 1% outros, revelando sua forte inclinação agropecuária.

Em 2005, Tocantins exportou 158,7 milhões de dólares e importou 14,3 milhões. Sua indústria é principalmente a agroindústria, centralizada em seis distritos instalados em cinco cidades-polo: Palmas, Araguaína, Gurupi, Porto Nacional e Paraíso do Tocantins. Sua indústria é ainda pequena e voltada principalmente para consumo próprio. Observa-se uma economia, que com sucesso consegue reter capitais com sua pequena indústria (reduzindo a necessidade de importações), uma população com renda per capita em posição mediana, uma potência agrícola em expansão com um PIB cada vez maior e com deficiências principalmente no setor secundário (indústrias).

Arquivo:Ponte do Rio Tocantins, Palmas, 2011.jpg
Palmas, a capital e maior cidade do estado do Tocantins.

O potencial exportador do estado vem aumentando consideravelmente, tendo o Tocantins, em 2012, exportado aproximadamente 644 milhões de dólares, divididos principalmente em soja (69,37%), carne bovina congelada (20,29%), álcool etílico (3,35%), carne bovina (2,58%) e miúdos comestíveis (1,34%).<ref name="dataviva.info"/> Boa parte de suas importações é de maquinário, material de construção, ferro e aeronaves de pequeno porte, produtos que representam a base de um expansionismo econômico. Não se observa a importação de produtos produtíveis em solo estadual: o que representa uma contenção de evasão econômica, garantindo um superávit na balança comercial, retendo mais divisas dentro do estado.

A produção de borracha natural (látex in-natura) após anos de incentivo dos órgãos agropecuários estaduais, estabilizou-se em três regiões, norte (Araguaína), centro (Pium) e sul (Palmeirópolis), com a região sul possuindo a maior área plantada do estado. Uma importante ajuda à economia estadual, como ocorre com a maioria das prefeituras do país, consiste no recebimento de verbas federais, principalmente através do FPM – Fundo de Participação dos Municípios.

No setor terciário (comércio e serviços) suas principais atividades estão concentradas na capital Palmas e também nas cidades que estão localizadas à beira da Rodovia Belém-Brasília (BR's 153 e 226). Faz-se importante frisar a relevância dessa rodovia para o Tocantins, pois ela corta o estado de norte a sul e possibilita um melhor desempenho no crescimento econômico das cidades localizadas às suas margens, servindo como entreposto de transportes rodoviários e de serviços a viajantes. Além disso, a Rodovia Belém-Brasília também facilita o escoamento da produção do Tocantins para outros estados e para portos no litoral.

Infraestrutura[editar]

Transportes[editar]

As principais rodovias federais do Tocantins são a BR-153 e a BR-226, que juntas formam o eixo viário da Rodovia Belém-Brasília. As demais são a BR-010, a BR-230 (Rodovia Transamazônica), a BR-235 e a BR-242. Estas últimas rodovias, com a exceção da BR-230, ainda possuem muitos trechos sem pavimentação ou até mesmo incompletos. No Tocantins, a Rodovia Belém-Brasília (BR-153 e BR-226) foi a primeira rodovia a ter sido construída e pavimentada no estado, tendo sido construída durante o final da década de 1950 (governo Juscelino Kubitschek),<ref>http://www.ibge.gov.br/cidadesat/historicos_cidades/historico_conteudo.php?codmun=170950</ref><ref>http://www.aguaboanews.com.br/portal/index.php?option=com_content&view=article&id=22034:belem-brasilia-foi-projeto-audacioso-para-ligar-o-norte-ao-resto-do-brasil-&catid=21:nacional&Itemid=23Predefinição:Ligação inativa</ref> e pavimentada entre 1960 (ano da inauguração do asfalto entre Araguaína e Wanderlândia)<ref>http://www.portalntc.org.br/index.php?option=com_content&view=article&id=41195%3Ana-rota-dos-caminhoneiros-&Itemid=310</ref> e 1974.<ref>http://www.abcdeluta.org.br/contexto.asp?id_ANO=7</ref><ref>http://www.revistaoempreiteiro.com.br/index.php?page=materia.php&id=178Predefinição:Ligação inativa</ref> Com a pavimentação de quase toda a Belém-Brasília durante o período do governo Médici (através do Plano de Integração Nacional), parte do traçado original da rodovia no Tocantins foi modificado, sendo que dentre os trechos que foram descomissionados, parte deles foi abandonada, enquanto que a maior parte foi transformada em estradas rurais que hoje margeiam a Belém-Brasília.<ref>http://pt.scribd.com/doc/100368820/1943</ref> Dentre as rodovias estaduais do Tocantins, destacam-se a TO-050, TO-070, TO-255, TO-080, TO-010, TO-445, TO-342, TO-280, TO-040 (trecho entre Almas e a divisa com a Bahia), TO-374, TO-348, TO-336, TO-335, TO-222, além da TO-164.

O Tocantins possui três aeroportos servidos por voos regulares: Aeroporto de Palmas, Aeroporto de Araguaína e Aeroporto de Gurupi. Todos os demais aeroportos do estado são servidos apenas por empresas de táxi aéreo.

A Ferrovia Norte-Sul (ou EF-151) está em processo de construção, sendo operada de forma regular desde Aguiarnópolis até Porto Nacional pela VLI enquanto que a Ferrovia de Integração Oeste-Leste (ou EF-334) ainda está em fase de planejamento no trecho que passará pelo estado. Vale ressaltar que a ferrovia já liga Açailândia - MA a Anápolis - GO, mas o trecho a sul de Porto Nacional - TO não é operado de forma regular pois não há patios para carregamento/descarregamento de vagões. A Valec ainda estuda o modelo de concessão para a ferrovia. As principais hidrovias do estado são as hidrovias do rio Tocantins e do rio Araguaia.

Educação[editar]

Arquivo:Unirgcampus3.jpg
Vista aérea do Campus I da Universidade de Gurupi (UNIRG).

Há demasiadas instituições educacionais no Tocantins, com a capital estadual, Palmas, abrigando as principais destas. A educação tocantinense possui um índice, de acordo com dados de 2010, de 0,624 pontos, ocupando a décima quarta melhor colocação no país, comparada à dos demais estados brasileiros. Na Região Norte, fica atrás do Amapá (0,629) e de Roraima (0,628), e à frente de Rondônia (0,577), Amazonas (0,561), do Acre (0,559) e do Pará (0,528).<ref name="PNUD_IDH_2010">Predefinição:Citar web</ref>

Sobre o analfabetismo, a lista de estados brasileiros por taxa de alfabetização, mostra o Tocantins com a décima sétima maior taxa, com 88,11% de sua população considerada alfabetizada. Em números absolutos, o Tocantins possui um total de Predefinição:Formatnum pessoas com mais de 10 anos de idade alfabetizadas, sendo Predefinição:Formatnum na área urbana e Predefinição:Formatnum na área rural.<ref name="IBGE_Síntese">Predefinição:Citar web</ref>

Mídia[editar]

A telefonia fixa no Tocantins foi prestada inicialmente pela Telegoiás (até 1998), e mais posteriormente pela concessionária Brasil Telecom (até 2009). Hoje a Brasil Telecom foi incorporada pela Oi, que passou a deter a concessão do sistema telefônico do estado. Além da Oi, a GVT e a Embratel também atuam no Tocantins como empresas permissionárias. A telefonia celular é prestada por quatro operadoras, sendo elas a Claro, a Oi, a Vivo e a TIM. O código de DDD de todos os municípios do estado é o 63.

Obs.: A GVT atua somente em Palmas, enquanto que a Embratel também atua nos municípios de Araguaína e Gurupi, além de outras localidades remotas do estado através da telefonia pública via-satélite.

Esportes[editar]

No Futebol a primeira divisão do Campeonato Tocantinense de Futebol é disputada por 8 times, o atual campeão de 2013 é O Interporto Futebol Clube, os maiores campeões são o Palmas Futebol e Regatas e o Gurupi Esporte Clube, cada um com 5 títulos, em seguida vem o Tocantinópolis Esporte Clube com 3 títulos, na Copa Tocantins o Kaburé Esporte Clube é o maior campeão com 3 títulos.

Na Copa do Brasil de 2004 O Palmas Futebol e Regatas surpreendeu chegando até as quartas de finais elimando times bem mais tradicionais do futebol brasileiro, na primeira fase eliminou o Clube do Remo na primeira fase, na segunda fase eliminou Nacional Futebol Clube de Manaus , nas Oitavas de finais eliminou o (Sociedade Esportiva do Gama), nas quartas de finais foi eliminado por outra surpresa que foi Clube 15 de Novembro de Campo Bom-RS, time que na época era treinado por Mano Menezes, nessa mesma edição teve ainda como maior surpresa Esporte Clube Santo André , vencendo na final o Clube de Regatas Flamengo por 2 a 0 em pleno Maracanã.

Ver também[editar]

Predefinição:Referências

Ligações externas[editar]

Predefinição:Commonscat

Predefinição:Bloco de navegação Predefinição:Portal3